Você está aqui
Home > Coberturas de shows > Helloween: em duas noites históricas banda prova que ainda há magia no ar

Helloween: em duas noites históricas banda prova que ainda há magia no ar

Helloween 23

Já dizia a canção que nas ruas no Dia das Bruxas algo acontecia e a magia estava no ar. E por duas noites no Espaço das Américas em São Paulo, o público brasileiro teve a oportunidade de ver um dos momentos mais esperados e memoráveis da história do heavy metal: a reunião dos membros antigos do Helloween com os atuais em um show especial que foi registrado para o lançamento de um futuro DVD.

Ao contrário de muitas “voltas” de bandas onde os músicos mais novos são jogados de lado em prol dos antigos, incluindo também o descarte do material do que seria chamado de “material novo” nesses casos, o grupo alemão respeitou de forma ímpar o seu legado. Dessa forma, o vocalista atual Andi Deris não foi deixado de lado, assim como o baterista Daniel Löble e o guitarrista Sascha Gerstner. Os três permaneceram com o grupo que ganhou a adição dos antigos, membros Kai Hansen e Michael Kiske.

Kiske é considerado por muitos como uma lenda. Por anos, o vocalista esteve afastado do estilo que o consagrou, retornando escondido sob um pseudônimo no primeiro disco do projeto Avantasia e ainda assim permanecendo mais uns bons anos fora dos palcos até que retornou participando desse projeto e depois com a banda Unisonic, na qual se reuniu com Kai Hansen. Ainda assim, sua performance nas músicas de sua ex-banda se restringiu a uma ou outra canção pontual em alguma apresentação de forma que vê-lo cantando as músicas do Helloween era algo histórico.

Hansen é de um importância ao estilo que negar a ele um lugar de grande destaque ao lado de nomes como Tony Iommi, Steve Harris e James Hetfield é uma injustiça absurda. Assim como os já citados, ele criou um estilo que foi copiado à exaustão pelos 20 anos seguintes, influenciando mais de uma geração de fãs. Por isso, ao ser anunciada a reunião não foi uma surpresa saber que os mais de 8000 ingressos para a primeira noite esgotaram em menos de uma semana com um ano de antecedência e uma nova data fosse aberta, para esgotar também.

Pouco antes dos shows no Brasil, as primeiras apresentações da turnê de retorno acabaram assutando os fãs pois Kiske estava tendo dificuldades de cantar certas canções chegando até a recorrer a playback em certos momentos devido a uma forte gripe. Por esse motivo algumas canções acabaram sendo limadas do setlist e todas as preocupações no show de São Paulo se dissiparam logo na primeira canção.

Abrindo o show com “Halloween”, era nítido que ele conseguia cantar e, ainda que apresentasse alguma levíssima falha ou demonstrasse um esforço extra em alguma nota, conseguiria levar o show inteiro. A dinâmica entre ele e Deris no palco se mostrou excelente nos duetos e interações com um participando de músicas do outro como no belo momento onde ambos sentaram para cantar “Forever And One (Neverland)” de forma acústica.

Não só nesse instante, como por toda a apresentação, a plateia brasileira deu seu show a parte. Em uma ação do fãs do grupo, centenas de bexigas laranjas foram levadas para o local e lançadas no inicio do show criando um momento a parte para o registro da noite, ainda que de acordo com a produção do DVD, a banda tenha duvidado que os fãs iriam mesmo fazer isso. Iniciativas assim tornam os shows únicos e mais memoráveis entre os fãs e o artista.

Nem tudo foi perfeito na primeira noite de gravação. O telão ao fundo, onde animações entre as canções além de imagens para as músicas seriam exibidas, apresentou uma falha passando a noite inteira apagado. Por isso, os fãs do sábado não viram o tributo ao baterista Ingo Schwichtenberg, falecido em 1995. O momento fez com que o solo, algo razoavelmente enfadonho se você não for Neil Peart, se transformar em algo emocional, ao exibir imagens do músico enquanto ele o atual baterista “duelavam” em seus instrumentos.

A segunda noite foi marcada pelo telão funcionando, porém durante o medley no qual Kai Hansen assumia os vocais, o sistema de PA da casa caiu como se tivesse perdido sua energia. A banda continuou a tocar pois estava se ouvindo nos retornos in-ear e demoraram para perceber que o público estava sem ouvi-los. O que não evitou algo fantástico. Mesmo ouvindo vagamente o som do palco, os presentes cantaram o refrão de “Ride The Sky” como se acompanhassem a banda tocando.

A sequência no set de “Sole Survivor” e “Power” fizeram o público entrar em um estado de catarse que se estendeu pela canção seguinte “How Many Tears” que foi cantada por Deris, Kiske e Hansen em um trieto histórico. Mas a canção que vinha no primeiro bis era provavelmente a mais aguardada por todos os presentes. Pela primeira vez no Brasil e mais de 20 anos depois, Michael Kiske cantou a clássica “Eagle Fly Free” emocionando o público presente, que ia de adolescentes a senhores que eram adolescentes quando os alemães despontaram. Para completar, a épica “Keeper of The Seven Keys” em um dueto com Deris fechou o primeiro encore.

E claro que um show do Helloween não termina sem duas canções: “Future World” e “I Want Out” foram as responsáveis por encerrar as apresentações em grande estilo com direito a mais bexigas e chuva de papel picado celebrando um momento único da história do heavy metal, que agora foi registrado nas terras brasileiras e que nas redes sociais foi considerado, em diversos comentários e postagens dos fãs, como o show do ano. Para alguns, o show da vida, que encerrou uma longa espera nostálgica e extremamente emocional que acrescentou um novo significado à palavra catarse.

Galeria de fotos

Setlist Helloween @ São Paulo

Initiation
Halloween (Kiske & Deris)
Dr. Stein (Kiske & Deris)
I’m Alive (Kiske)
If I Could Fly (Deris)
Are You Metal? (Deris)
Rise and Fall (Kiske)
Waiting for the Thunder (Deris)
Perfect Gentleman (Deris)
Starlight / Ride the Sky / Judas / Heavy Metal (Is the Law) – (Hansen)
Forever and One (Neverland) (Kiske & Deris)
A Tale That Wasn’t Right (Kiske & Deris)
I Can (with Andi Deris)
Solo de bateria – (Dani Löble & Ingo ‘battle’) + Tributo a Ingo
Livin’ Ain’t No Crime / A Little Time (Kiske)
Why? (Kiske & Deris)
Sole Survivor (Deris)
Power (Kiske & Deris)
How Many Tears (Hansen, Kiske & Deris)

Bis 1:
Invitation
Eagle Fly Free (Kiske)
Keeper of the Seven Keys (Kiske & Deris)

Bis 2:
Future World (Kiske)
I Want Out (Kiske & Deris)

Deixe uma resposta

Top